Blog


mother-10516_1920
19 nov, 201519 | Blog » Linguagem na Cultura » Para o Seu Bebê

Indo na casa da vovó! – Desenvolvimento infantil sustentado pelo olhar/voz do Outro.

Atualmente temos acesso a uma extensa gama de vídeos familiares disponíveis na internet, assim, canais como youtube proporcionam ao  fonoaudiólogo infantil,  uma excelente amostra acerca do lugar que a infância ocupa no social.

Dessa forma, costumo ficar bastante atenta aos vídeos que circulam entre grupos de profissionais, grupos de pais ou através de blogs específicos que contenham todo e qualquer conteúdo a respeito da infância na contemporaneidade. Eles sempre têm algo a comunicar.

Tive acesso a esse vídeo através de indicação de colegas e confesso que fiquei bastante surpresa com o que vi: A postura da mãe junto a seu filho foi magnífica. A mãe de Miguel soube retratar com sutil poesia a potência do olhar/voz do Outro, aqui representado pela mesma, para a sustentação do desenvolvimento de seu filho apesar da deficiência visual.

O vídeo narra a caminhada de Miguel, uma criança cega de aproximadamente uns 3 anos, a fim de “ajudar” sua mãe numa tarefa doméstica. Miguel atravessou o terreno que une a sua casa à casa da avó a fim de “buscar uma panela”. Sustentado pela fala da mãe e da avó a criança completou com mérito o desafio proposto.

Nessa cena, aparentemente corriqueira, ficou evidente o papel da mãe na sustentação do sujeito em desenvolvimento para que, apesar da deficiência, tivesse o máximo de independência e segurança. Foi interessante observar que após o pedido para que Miguel fosse à casa da avó, a mãe que filmava silenciou aos pedidos de ajuda do filho e pode aguardar que a criança se aproximasse da avó para que esta também pudesse guia-lo pela voz.

É provável que esse percurso tenha sido treinado várias vezes com auxílio e que a criança tenha tropeçado ou caído outras tantas, mas o maior mérito dessa mãe, na minha opinião, foi a delicadeza de seu olhar. Quando viu que o filho estava pronto para partir sozinho ela o potencializou e autorizou com o silêncio e cortou o cordão da sua voz para que ele voasse sozinho.

Assim, no momento que assisti ao vídeo da aventura de Miguel, desbravando o tortuoso caminho da sua casa à casa da avó, pensei nas venturas e desventuras porque passam tantas crianças que comparecem para tratamento na clínica de linguagem.

Acompanho comumente famílias em que por um motivo ou por muitos  (que na maioria das vezes completamente compreensíveis) apresentam sérias dificuldades para oferecer palavras de apoio e estímulo e, ao mesmo tempo experiências desafiadoras que proporcionem o desenvolvimento das habilidades de vida prática e de linguagem de seus filhos. Dessa forma, uma das principais funções do terapeuta em estimulação precoce consiste em auxiliar as famílias no processo de construção do conhecimento.

 

Todo o conteúdo deste Blog que é protegido contra copyright e são proibidas reproduções totais ou parciais sem autorização da autora.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Cristal Carvalho Braga disse:
"Obrigada Nayara!!! Bjs.".


Nayara disse:
"Adorei seu blog! Bjs".